quinta-feira, 2 de julho de 2009

andando por aí


Foto: Taís Bravo

Bom, não sei porque resolvi fazer esse blog. Amanhã eu tenho prova de moderna e não deveria estar aqui, eu não tenho jeito com as palavras e também não tenho paciência de atualizar. Enfim, se eu ficar de saco cheio eu deleto.

Ontem eu tava lendo alguma coisa por aí, pelo ônibus,pela barca. O personagem do livro se desepera ao perceber que ficou sozinho, sem ninguém mas ao mesmo tempo se desespera por saber que ficou auto-suficiente, ou seja, ele não depende mais de ninguém assim como ninguém depende dele.

Às vezes, bem às vezes mesmo, queria ser como o Sr. Antoine. Sozinha. Eu e os livros.. e um gato talvez.

Depois volto a cabeça para a realidade. Como, algum dia, eu quis ser que nem ele? Eu gosto de mim,sei ser sozinha e gosto disso. Gosto do gosto de estar sozinha, de ouvir Beatles sozinha no chão da sala, de comer sozinha, de ler sem ninguém a minha volta. Mas não, eu não quero ser o Sr. Antoine. Eu quero pessoas ao meu redor, quero risadas, quero tocar. Acima de tudo, quero compartilhar. De que adianta isso tudo se eu estivesse sozinha? Todas as palavras no vento, jogadas. Não. Eu quero gente.

Quando a gente começa uma coisa maior na nossa vida, talvez a gente fique brega. É, bem breguinha mesmo,cafona. Eu fiquei, sorry.

Essa coisa de compartilhar tudo é conseqüência da coisa maior que, por via das dúvidas, irei chamar sempre de Cura. Depois disso, tudo é nada e tudo.
Passamos a viver numa eterna hipérbole (como se antes eu não fosse isso, mas com a maioria das pessoas não é assim), onde queremos tudo eterno.
Amor eterno,laços eternos, sorrisos eternos, beijos na testa eternos.

A Cura é linda. Eu vi. A vejo todo dia.
Desliza pela minha mão, assim como a Náusea do Sr. Antoine escorre pela dele. Mas não é a Náusea de nevoeiro,embaraçada que passa por mim. A Cura é cheia, branca e amarela e azul. Me dá um embrulho no estômago. Mas daqueles bons.

E porque isso? Eu não sei, só sei que é.

O que eu quero é compartilhar (além de algumas outras coisas).

Hapiness is only true when shared.






4 comentários:

  1. Que esse blog perdure =)
    Ficou muito maneiro o texto, divido da mesma opinião, compartilhar é a boa! Ai viu, compartilhamos a idéia =D
    E se tu não leva jeito com as palavras imagina se levasse

    =**

    ResponderExcluir
  2. depois do Inverno, vem a Primavera...

    ResponderExcluir
  3. Aaah esse texto é lindo, cara. Eu gosto de como você escreve, eu vejo você nas palavras, sabe?

    O amor, esse amor que a gente sente pelo ar flutuando entre as gargalhadas, é lindo. Eu também não sei como já quis ser como o Sr. Antoine. Só sei que se hoje eu aprendi a conduzir as vertigens, as náuseas, a ter esse embrulho bom no estômago devo muito a você, a vocês.

    (L)

    E eu sou tão foda que meu blog (idiota) vem antes do do Caetano HA!
    =**

    ResponderExcluir
  4. Solidão não é estar sozinho, é sentir-se só. E essa sensação é agustiante.

    "Hapiness is only true when shared." :)

    amo tú.

    ResponderExcluir